Notícias

2018-11-05
Rui Durval: "Sai mais caro ao Estado não comparticipar a 100%"
Coordenador do hospital de dia do Júlio de Matos e diretor do internato médico chama a atenção para o facto de os médicos terem de prescrever um tratamento mais antigo, porque é mais barato. Não comparticipar a medicação antipsicótica a 100% implica, segundo o psiquiatra, mais internamentos "Que impacto teve o fim da comparticipação da medicação antipsicótica a 100%? A maior parte das pessoas que sofrem das doenças que necessitam deste tipo de medicação são doentes muito graves, muitas vezes de níveis socioeconómicos baixos e, mesmo quando não são, a própria doença condiciona a diminuição do nível socioeconómico. Portanto, têm muita dificuldade em financiar uma coisa que, apesar de ser comparticipada pelo Estado a 90%, ainda é cara. Se alguém se dedicasse a estudar a farmacoeconomia destes medicamentos, perceberia que sairia mais barato ao Estado financiar a 100% do que arriscar a que o doente não faça a medicação porque não tem dinheiro e venha parar durante meses ao internamento. Muitos doentes nem reconhecem que estão doentes... Muitos têm de fazer tratamento compulsivo por razões judiciais, ou seja, estão obrigados pelo tribunal a fazê-lo. Não reconhecem que estão doentes e ainda têm de pagar na mesma pela medicação. Os doentes psiquiátricos normalmente são o parente pobre da saúde. A imagem da psiquiatria é como se fosse uma coisa que não é bem uma doença e que não precisa de medicamentos. Por outro lado, estes doentes são muito graves, mas são só 1% da população. Não têm capacidade de defender os seus direitos, e ainda por cima são poucos. Os doentes da hepatite C lutaram pelos seus direitos e o Estado resolveu comparticipar o tratamento, que é muitas vezes mais caro do que o da esquizofrenia. Os nossos doentes, infelizmente, não têm iniciativa em função da própria doença. Não há ninguém que defenda os direitos deles." Fonte: Diário de Notícias https://www.dn.pt/portugal/interior/rui-durval--sai-mais-caro-ao-estado-nao-comparticipar-a-100-9312315.html



www.quintadaspontes.com | geral@quintadaspontes.com | Telf.: 239 55 11 52
Associação Quinta das Pontes - Comunidade Socioterapêutica
© webdesign by criativo.net
Facebook