Notícias

2019-06-26
Como se previne e trata a doença mental? ONU sugere menos austeridade, menos desigualdade e menos medicamentos
"Assim sugeriu Dainius Pūras, o relator da ONU para a saúde mental e física, e autor de um relatório sobre doença mental divulgado esta segunda-feira. Em entrevista, o responsável criticou o número excessivo de prescrições de medicamentos para a depressão e a ansiedade, e a “influência desmedida das empresas farmacêuticas na divulgação de informação tendenciosa sobre saúde mental” Em vez de se focarem tanto na terapia e medicação como forma de lidar com doença mental, os vários governos deviam preocupar-se mais com questões como a austeridade, desigualdade e insegurança laboral. A abordagem foi sugerida pelo relator da ONU para a saúde mental e física Dainius Pūras, numa entrevista ao jornal britânico “The Guardian” no dia em que é entregue nas Nações Unidas um relatório sobre o tema da sua autoria. “Isso seria a melhor ‘vacina’ contra a doença mental e seria muito melhor do que o atual uso excessivo de medicação psicotrópica”, sublinha o responsável. Segundo Dainius Pūras, as medidas adotadas durante e após a crise financeira de 2008 vieram acentuar as divisões, a desigualdade e isolamento social, tendo sido por isso muito danosas. “As medidas de austeridade não contribuíram de uma forma positiva para a saúde mental da população. As pessoas começaram a sentir-se mais inseguras e ansiosas, com prejuízo para o seu bem-estar emocional.” Assim, a “melhor forma de investir em saúde mental é através da criação de um ambiente favorável e de apoio, tanto no meio laboral, como familiar”. “Obviamente que os serviços terapêuticos são necessários, mas não deveriam depender de um modelo biomédico excessivo”, acrescentou o responsável, querendo com isto dizer que é preciso não só ter em consideração os fatores biológicos da doença mental”, que acaba por ser ‘tratada’ com medicação, mas também os psicossociais, como a pobreza e exclusão social. Isso mesmo salienta o seu estudo, onde se lê que a desigualdade é mesmo “o principal obstáculo para uma boa saúde mental em todo o mundo” e que “muitos fatores de risco estão relacionados com o impacto corrosivo de encarar a vida como algo injusto”. Número de pessoas com depressão e ansiedade aumentou mais de 40% nos últimos 30 anos A medicação psicotrópica a que se refere na entrevista inclui, entre outros, os ansiolíticos, antidepressivos, sedativos e hipnóticos, e o número de prescrições destes medicamentos tem vindo a aumentar nos últimos 20 anos. “As pessoas procuram médicos que se limitam a prescrever medicação, tratando-se isso de uma resposta inadequada ao problema”, afirma Dainius Pūras, criticando a “influência desmedida das empresas farmacêuticas na divulgação de informação tendenciosa sobre assuntos relacionados com a saúde mental”. É responsabilidade de cada Estado, acrescentou, lutar contra isto. “Os vários governos podem fazer muito mais na área da prevenção. Temos de preocupar-nos mais com as relações sociais e menos com o cérebro.” Números recentes da Organização Mundial de Saúde revelam que cerca de 970 milhões de pessoas em todo o mundo sofrem de algum tipo de distúrbio mental, e que o número de pessoas com depressão e ansiedade aumentou mais de 40% nos últimos 30 anos. Além de sugerir que se tome como principal prioridade reduzir as desigualdades e a exclusão social, Dainius Pūras recomenda que se aposte em programas escolares mais adequados, intervenções rápidas para apoiar e ajudar aqueles que passaram por experiências adversas na infância e adolescência, maior sindicalização e melhor bem-estar social." FONTE: Expresso - https://expresso.pt/sociedade/2019-06-24-Como-se-previne-e-trata-a-doenca-mental--ONU-sugere-menos-austeridade-menos-desigualdade-e-menos-medicamentos



www.quintadaspontes.com | geral@quintadaspontes.com | Telf.: 239 55 11 52
Associação Quinta das Pontes - Comunidade Socioterapêutica
© webdesign by criativo.net
Facebook